China (II) - Recursos minerais e localização industrial

Costuma-se dividir a China em duas grandes regiões: a China ocidental e a China oriental. Estas duas regiões caracterizam-se por critérios sociais, naturais e econômicos.

A China Ocidental é a região mais atrasada do ponto de vista econômico do país. Dominada por montanhas e regiões áridas, esta parte do país compreende províncias como Mongólia Interior, Tibete e Sin-kiang. O desenvolvimento industrial do lugar limita-se a projetos instalados por Mao Tsé-Tung para estimular o crescimento do ocidente chinês, que hoje encontram duros problemas para achar mão de obra. A região, porém, é rica em recursos minerais.

Na Mongólia Interior, encontramos a extração de terras raras, grupo de 17 elementos químicos importantes para a produção de equipamentos com tecnologia de ponta, como tablets, smarthphones, lasers e painéis solares. Na China Ociental, embora o clima seja desfavorável, também existe o cultivo de produtos agrícolas como trigo, arroz e algodão, geralmente utilizando a técnica de terraços.
Terraços. By User:Doron (Own work) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons
A China Oriental é a região mais rica do país. Concentrando 90% da população, é na região onde localizam-se as ZEEs, regiões abertas ao capitalismo, com grande investimento estrangeiro e desenvolvimento tecnológico e industrial.

Do ponto de vista natural, a China Oriental também é muito mais próspera. O clima varia de norte a sul, mas, em geral, este fator favorece o plantio de produtos importantes como arroz, chá, beterraba, trigo, cana-de-açúcar e batata. Na Planície da Manchúria, ao norte, encontramos grandes jazidas de minério de ferro e carvão, este sendo a China o maior produtor mundial, favorecendo o desenvolvimento da indústria siderúrgica. O setor petroquímico é beneficiado pela exploração na plataforma continental do país. A China também é o maior produtor de energia hidrelétrica e termelétrica do mundo.


A Planície Oriental, localizada ao sul da Manchúria, ainda apresenta um rico solo sedimentar de coloração amarela, muito fértil: o loess. Além disso, é onde localiza-se os dois mais importantes rios do país: o Yang Tsé-kiang e o Hoang-ho.

Escritórios da Microsoft em Zhongguancun, importante bairro de Pequim. By itsmo - yes, GFDL, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=14585692
As indústrias chinesas concentram-se no litoral, nas regiões abertas ao capitalismo. A indústria têxtil é forte em Pequim e em Xangai, a química em Nanquim, a indústria mecânica em Xangai e em Tientsin e as siderúrgicas na Manchúria. A indústria de ponta vem sendo incentivada pelo governo chinês. Um exemplo é o Z-Park, instalado no bairro de Zhongguancun, em Pequim, nas proximidades das Universidades de Pequim e de Tsinghua.

TRANSNACIONAIS CHINESAS

O crescimento na economia chinesa nas últimas décadas propiciou a criação de grandes transnacionais no país, sendo a maioria empresas estatais. Destacam-se em cenário mundial a Sinopec Group e a China National Petroleum, do setor petrolífero, e a State Grid, do setor elétrico. As empresas de bens de serviço chinesas, porém, sofrem com o protecionismo de muitos países desenvolvidos.

Outro ponto a ser destacado é o forte investimento chinês fora do país. África, América Latina, Índia e Austrália são o destino de milhões de dólares vindos do país asiático. A África hoje, inclusive, tem a China como maior parceiro comercial. Boa parte do petróleo usado no país vem da Angola, por exemplo.

A China também é a maior exportadora do mundo. Ao mesmo tempo, sua grande população e sua crescente indústria exigem grandes importações, principalmente de energia.

Fernando Soares
Fernando Soares

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »