Angola – Características gerais, clima, relevo e hidrografia

Bandeira de Angola

Características gerais

Capital: Luanda;
Área: 1.246.700 km²;
Moeda: Kwanza;
População: 23,3 milhões de habitantes (2017);
Densidade Demográfica: 20,6 hab./km²;
PIB: 131 bilhões;
Idioma: Português.

Relevo

O relevo angolano pode ser dividido em três compartimentos principais.

Relevo de Angola. Por Sadalmelik - Obra do próprio, Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2276307

Relevo de Angola. Por Sadalmelik – Obra do próprio, Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2276307

O primeiro deles corresponde à planície costeira, que tem extensão bastante variável. No norte do país, nas proximidades de Luanda, chega até 200 km, enquanto que na região central, nas redondezas de Benguela, se estreita para cerca de apenas 25 km.

Indo para leste, escarpas abruptas marcam o início do segundo compartimento. A partir delas, se elevam planaltos acidentados, dentre os quais o mais expressivo é o Planalto de Bié, onde a altitude supera facilmente os 1.500 metros, atingindo seu ápice no Monte Moco, com 2.600 metros, o ponto culminante de Angola.

Anexo ao Planalto de Bié, ascendem terras altas de proporções menores, conhecidas como Malanje.

O planalto central angolano se inclina gradualmente para o centro do continente, onde marca o terceiro compartimento do relevo do país.

Com altitudes que variam de 500 até 1.000 metros, este platô inexpressivo encobre cerca de dois terços do país.

Clima

O clima de Angola varia muito em sentido norte-sul e em relação à proximidade com a costa.

O norte do país apresenta um clima tropical típico (Aw/As), com índices pluviométricos elevados. O exclave de Cabinda, por exemplo, tem cerca de 1.800 mm anuais de chuva.

Na parte central interior do país, os índices pluviométricos continuam elevados, como em Huambo, no Planalto de Bié, que recebe cerca de 1.450 mm de chuva anuais.

Todavia, o aumento da altitude traz uma diminuição de temperatura. Na região do Planalto de Bié, temos um clima próximo ao tropical de altitude (Cwb), enquanto que nas regiões de planaltos mais baixos no leste do país, predomina um clima subtropical com verões quentes (Cwa).

Na costa, todavia, a situação se altera profundamente. O clima com bons índices pluviométricos dá lugar a um ambiente seco. Luanda, no litoral norte, por exemplo, recebe apenas cerca de 330 mm anuais de chuva, apresentando um clima do tipo árido de estepe (BSh).

No sul do litoral, porém, as chuvas são ainda mais escassas. Anualmente, esta região recebe apenas 50 mm anuais de chuva, se enquadrando em um clima desértico (BWh).

Hidrografia

Os planaltos do centro de Angola funcionam como os principais divisores de águas do país. A maioria dos rios nasce nesta região, seguindo a oeste para o Atlântico, a norte para o Rio Congo ou ainda para o sudeste onde infiltram o interior do continente.

Dentre os rios que fluem para o Oceano Atlântico, destacam-se dois principais: o Cuanza e o Cunene.

O rio Cuanza tem cerca de 1000 km de extensão e é o maior rio inteiramente dentro das fronteiras angolanas. Nascendo no Planalto de Bié, o rio segue em sentido norte até se encaixar entre a escarpa do planalto e do Malanje, seguindo a partir daí sentido oeste.

Rio Cuanza

Rio Cuanza

O rio Cunene nasce também na região central do país, seguindo sentido sul, até dobrar bruscamente em sentido oeste, marcando a divisa entre Angola e a Namíbia.

Rio Cunene

Rio Cunene

Dentre os rios que seguem a norte, desembocando no Rio Congo, os principais deles são o Cuango e o Chicapa, ambos nascendo também nos planaltos centrais do país.

Ainda, parte dos rios seguem em sentido sudeste, para o interior do continente africano. É o caso do Cubango e do Cuando.

 

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *