Classificação do relevo brasileiro


O relevo brasileiro tem formação antiga e é proveniente de agentes tanto internos, como o movimento de placas e derramamentos vulcânicos, tanto externos, que tem mais a função de moldar o relevo, como é o caso da chuva e do vento.

Basicamente, a estrutura geológica do nosso país apresenta desde escudos cristalinos até bacias sedimentares, além de dobramentos antigos. O escudo das Guianas localiza-se no norte do país, junto aos estados de Roraima, norte do Amazonas e Pará e oeste do Amapá. Temos também o escudo brasileiro, que encontramos em todas as regiões do território e as bacias sedimentares, desde a bacia amazônica até boa parte do sul do país.

A classificação do relevo brasileiro foi estudada por muitos professores e estudiosos, entre os que destacam-se Aroldo de Azevedo, Aziz Ab'Saber e Jurandyr Ross.

CLASSIFICAÇÃO DE AROLDO DE AZEVEDO

Esta foi a primeira classificação reconhecida, feita na década de 1940, porém é ainda usada em casos mais simples. Segundo o estudioso, era reconhecido a existência de planaltos e planícies no Brasil, estabelecendo uma altura de 200 metros a divisão dos dois.


A classificação era composta por planaltos (como o Central e o das Guianas) e planícies (como a Amazônica e do Pantanal)

CLASSIFICAÇÃO DE AZIZ AB'SABER

Este tipo de classificação foi elaborada na década de 1960 e usou critérios mais aprimorados que seu antecessor.

A técnica mais usada era calculada por base nos processos de erosão e sedimentação. Quando em um terreno dominava a erosão, era planalto, quando era a sedimentação, planície. A divisão de planícies e planaltos foi mais detalhada por causa disso.

CLASSIFICAÇÃO DE JURANDYR ROSS

Com técnicas mais modernas e ainda mais aprimoradas, como a fotogrametria, em 1989, o professor Jurandyr Ross divulgou uma classificação mais detalhada do relevo do Brasil.

Pela primeira vez, foi considerada a existência de depressões e houve uma divisão ainda mais detalhada do nosso relevo, com a aquisição de 28 unidades do mesmo.

Comente abaixo o que achou do post!





Fernando Soares
Fernando Soares

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »