Estudo dos solos (II): perfil e classificações básicas

Para uma compreensão mais completa dos solos e de sua relação com o ambiente, costuma-se dividi-lo em várias camadas, conforme propriedades como textura, cor, existência de micro-organismos e consistência. Tais camadas são chamadas dentro de pedologia de horizontes pedogenéticos e a sucessão vertical destes horizontes é denominada perfil.

Classificação dos horizontes

Partindo da superfície em camadas subsequentes e paralelas, o perfil de um solo é classificado da seguinte forma:



Horizonte O (O vem de orgânico) – Camada rica em matéria orgânica (húmus) e em micro-organismos, geralmente este horizonte tem aspecto escuro. Também é conhecido como serrapilheira e subdivido em O1 e O2: o primeiro é formado por material orgânico novo, em início de processo de decomposição, enquanto o segundo é constituído de matéria mais antiga e em avançado estado de degradação.

Horizonte A – Esta camada é formada basicamente pela união da matéria orgânica com os minerais do solo, principalmente argila. Uma parte deste horizonte, também conhecido como horizonte A2, sofre intenso processo de lixiviação, onde elementos como sódio e potássio são dissolvidos pela água e levados para camadas mais profundas da Terra.

Horizonte E – Este horizonte é resultado do acúmulo de compostos provenientes do horizonte A, como argila, alumínio e compostos de ferro. Apresentam coloração mais clara.

Horizonte B – Camada que apresenta pouca concentração de compostos orgânicos, mas rico em minerais hidrossolúveis. Podem apresentar coloração vermelha, quando ricos em ferro, ou amarela, quando carentes do mesmo elemento. Também recebe outras substâncias lixiviadas de outros horizontes superficiais.

Horizonte C – Com ausência total de matéria orgânica, este horizonte é um prolongamento da rocha-matriz, sendo resultado basicamente da erosão da mesma. Podem concentrar carbonatos de cálcio e magnésio.

Horizonte D ou R – Correspondente à rocha-mãe.

Classificações básicas

No estudo da pedologia, também é importante ressaltar duas classificações básicas: uma relacionada com a origem do solo e outra com a ação de agentes externos.

Quanto à origem do solo, podemos classificá-los em:

Eluviais – quando o solo é formado a partir da decomposição de uma rocha-mãe no mesmo local onde ele é formado.

Aluviais – quando os componentes do solo em questão vem da decomposição de rochas de outras regiões, sendo trazidos pela ação das águas e do vento.

Já em relação à influência de fatores externos, como o relevo e o clima, classificamos os solos como:

Zonais – solos maduros, profundos e com clara divisão entre os horizontes. São exemplos os podzóis e os solos de pradaria.

Intrazonais – solos desenvolvidos, onde a ação do relevo e do material formador se sobrepõem ao clima. São divididos em salinos (regiões áridas e próximas ao mar) e hidromórficos (próximos a rios e lagos).

Azonais – solos pouco desenvolvidos e pouco profundos.

Leia mais sobre o estudo dos solos:

Estudo dos solos (I): Definição e elementos formadores
Estudo dos solos (II): Perfil e classificações básicas (Atual)
Estudo dos solos (III): Classificação dos solos brasileiros 
Estudo dos solos (IV): Consequências do uso indevido do solo
Estudo dos solos (V): Técnicas para conservação do solo

Share

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

One Ping

  1. Pingback: Estudo dos solos (I): definição e elementos formadores - Geografia Opinativa

One Comment

Deixe uma resposta para Edson Pereira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *