O racismo no campo através de alguns números

O racismo estrutural pode ser visto em diversos aspectos da sociedade brasileira.

Um levantamento da Agência Lupa revelou que, embora pretos e pardos sejam 56% da população brasileira, são 64% das pessoas sem emprego e 66% das pessoas que trabalham menos tempo que gostariam. Ainda, em 2018, 47,3% das pessoas pretas ou pardas ocupadas trabalhavam no mercado informal, enquanto entre brancos esse número é de 34,6%.

No campo, esse cenário não é diferente.

Para demonstrar isso, fizemos um cruzamento dos dados do Censo agropecuário (2017) com os da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio, e comparamos a proporção de população branca por unidade da federação com a proporção de pessoas brancas donas de lotes de terra acima de 1.000 ha.

Os resultados estão sintetizados a seguir.

Os estados da Região Sul apresentam a maior proporção de pessoas autodeclaradas brancas.
Os estados da Região Sul apresentam a maior proporção de pessoas autodeclaradas brancas.
Já entre os donos de grandes lotes de terra, a Região Centro-Oeste é aquela que concentra a maior proporção de população branca.
Já entre os donos de grandes lotes de terra, a Região Centro-Oeste é aquela que concentra a maior proporção de população branca.

A comparação entre as duas figuras revela que a população branca é maioria entre os grandes proprietários de terra em quase todas as unidades da federação.

As maiores distorções ocorrem nos estados do Mato Grosso (MT), Bahia (BA) e Tocantins (TO). No MT, apenas 29% da população é autodeclarada branca. Já entre os grande proprietários, esse número é de 77%. Na Bahia, somente 19% da população é branca, enquanto que pessoas pertencentes a essa raça são donas de 60% dos grandes lotes de terra no estado. No Tocantins, os números são 20% para população geral e 61% para os grandes proprietários.

Mesmo que minoria nos estados do MT, BA e TO, brancos são largamente os que detém as maiores terras.
Mesmo que minoria nos estados do MT, BA e TO, brancos são largamente os que detém as maiores terras.

Quando analisamos os números nacionais, nossa hipótese fica ainda mais clara: dentre as propriedades com mais de 1.000 ha., 67,5% dos donos são brancos. Entre as propriedades com menos de 1 ha., 79,9% pertencem a pretos, pardos, indígenas ou amarelos.

Brancos são minoria apenas entre os proprietários de pequenos lotes.
Brancos são minoria apenas entre os proprietários de pequenos lotes.

Muitas são as possíveis causas para a essa desigualdade racial na divisão de terras do Brasil.

Devemos lembrar que, desde a divisão da América Portuguesa em Capitanias Hereditárias, europeus e seus descendentes tiveram acesso a doações de grandes porções de terra.

Mais tarde, em 1850, com a instituição da Lei das Terras, todas as terras ainda não habitadas do território brasileiro só poderiam ter uso para fins de cultivo e ocupação se compradas à vista do governo, o que privou muitos ao acesso democrático a um lote de terra para a sobrevivência e consolidou o modelo latifundiário no país.

Apenas 38 anos depois, em 1888, ocorreu a assinatura da Lei Áurea que, sem qualquer indenização aos ex-escravos, pôs fim ao regime de escravidão no país. Como essas pessoas, sem qualquer apoio financeiro, social e jurídico, poderiam comprar terras à vista?

Entende-se aí a gênese de mais um capítulo da desigualdade racial no Brasil, ainda tão presente em diferentes espaços e contextos sociais.

Share

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *