Tigres Asiáticos

Tigres Asiáticos é a denominação dada a um conjunto de países do leste da Ásia cuja industrialização aconteceu tardiamente, através da formação de plataformas de exportação. São eles: Coreia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Singapura.

Localizados no extremo oriente, os Tigres Asiáticos passaram por um crescimento econômico muito forte entre os anos 60 e 90. Por Wikimedia https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=48801666

Conforme discutimos em post anterior, as industrializações tardias, que ocorreram na periferia do sistema capitalista, ocorreram por duas modalidades: via Substituição de Importações e via Plataforma de Exportação.

No primeiro caso, inclui-se países como Brasil, México, Argentina, Índia e África do Sul. São países cuja industrialização ocorreu voltada para o mercado interno, no intuito de produzir internamente o que antes era importado, em momento de recessão da economia global.

Já o segundo grupo inclui os Tigres Asiáticos, países que, com pequeno mercado consumidor e poucos recursos naturais a serem explorados, industrializaram-se para o mercado externo, isto é, para a venda de produtos para o exterior.

A seguir, discutiremos as principais características deste segundo grupo de países, quais foram as condições que levaram a sua industrialização e quais perspectivas dos mesmos atualmente.

Os Tigres sob a proteção da Águia

A economia dos Tigres Asiáticos passou a despontar a partir dos anos 1950 e 1960, período que mundo atravessava a Guerra Fria.

Neste contexto, o continente asiático dispunha de duas potências socialistas: a União Soviética e a China. Logo, os países da fachada asiática do Pacífico eram “presas fáceis” na expansão da hegemonia socialista.

Os EUA, de modo a barrar o crescimento desta influência, passa a investir milhões de dólares a fundo perdido, isto é, sem necessidade de devolução, nas economias dos futuros “Tigres”. Estes investimentos fizeram parte de um plano conhecido como Plano Colombo.

Os governos da época souberam agir sob a bonança americana. Centralizadores e, em alguns casos, ditatoriais (caso da Coreia do Sul e Singapura), passaram a incentivar a instalação de indústrias em seu território.

Dentre os artifícios utilizados pelos Estados Nacionais da região neste contexto, citam-se:

  • Incentivos fiscais para a instalação de indústrias (isenção de impostos, doação de terrenos, etc);
  • Investimento em infraestrutura (rodovias, portos, ferrovias, etc.)
  • Investimentos em educação, que garantiu mão-de-obra qualificada e, em primeiro momento, barata;
  • Desvalorização da moeda, permitindo a competitividade dos produtos nacionais em mercado mundial;
  • Protecionismo econômico.

Aos poucos, os países do grupo passaram a edificar uma indústria de bens de consumo não-duráveis (têxtil, calçados, remédios, etc) intensiva em trabalho, isto é, com uso de grande volume de mão-de-obra.

Neste momento, além do aporte em investimento, os EUA auxiliaram os Tigres através da abertura de seu mercado nacional aos produtos exportados por eles.

Pós-1970: Os Tigres despontam tecnologicamente

Os anos 1970 são importantes na compreensão do quadro econômico dos Tigres Asiáticos. Isto porque é o período onde ocorre uma mudança interna, no tipo de produto que é fabricado nestes países, e externa, no sentido da mudança no caráter da ajuda americana.

Os EUA passaram a impôr sobre os Tigres uma agenda de liberalização econômica como condição para a flexibilidade de seu mercado às manufaturas asiáticas.

Neste sentido, os Tigres, em especial Coreia do Sul e Taiwan, através de um Estado desenvolvimentista, passaram a agir dois dois sentidos: o primeiro, pela edificação de uma indústria pesada, com foco em áreas como siderurgia, petroquímica, cimento e naval.

O segundo, entendia como ponto focal na industrialização de ambos os países e dos demais do grupo a indústria de ponta, intensiva em tecnologia.

Neste sentido, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul e Hong Kong passaram por diversos planos nacionais cujo foco era desenvolver indústrias de alta tecnologia, entre elas a robótica e a eletrônica.

Na Coreia do Sul, por exemplo, o Estado passou a intervir nos grandes conglomerados do país, os chamados cheabols, os estimulando a concentrarem seus esforços na microeletrônica e em outros setores de alta tecnologia.

Os Novos Tigres Asiáticos

A partir da década de 1970, a realidade dos ‘velhos’ Tigres Asiáticos já não era a mesma.

A maior parte daquelas vantagens comparativas, como a mão-de-obra barata, que foram fundamentais no início de suas industrializações, foram substituídas por um mercado consumidor com elevado nível de renda e consumo.

Assim, aquelas indústrias tradicionais não viam mais espaço nos velhos Tigres. Migraram, portanto, para outros países da fachada asiática do Pacífico que ainda dispunham de mão-de-obra barata e cujos Estados Nacionais ainda incentivassem a instalação destas indústrias.

Deste modo, surgem os “Novos Tigres Asiáticos”, grupo composto por Indonésia, Malásia, Tailândia, Filipinas e Vietnã.

Aqui, todavia, encontramos diferenças primordiais em relação ao antigos Tigres.

Indonésia, Malásia, Tailândia, Filipinas e Vietnã são países de grande extensão, dotados de recursos naturais e mercado consumidor interno.

Todavia, centram-se sua produção em produtos de baixa tecnologia para serem consumidos em mercado externo.

Além disso, é necessário salientar que, ao contrário do que ocorreu nos ‘velhos’ Tigres, os Novos Tigres não vêm passando por um processo de franco desenvolvimento social, pelo menos não em mesmo nível que, por exemplo, Coreia do Sul e Singapura passaram.

Aqui, dá-se uma relação econômica de subalternação na divisão internacional do trabalho, de maneira similar aquela ocorrida nos países latino-americanos.

Veja também nossa aula sobre o assunto:

Share

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *