Projetos SIVAM e Calha Norte: Conheça estes dois projetos e saiba de suas polêmicas

SIVAM e Calha Norte são dois projetos idealizados pelo governo brasileiro que têm por intuito resguardar as áreas de floresta Amazônica. Vejamos agora um pouco mais sobre os dois projetos:

SIVAM

O SIVAM foi inaugurado em 2002, durante a gestão do então presidente Fernando Henrique Cardoso. Para este projeto funcionar, foi necessária a construção de uma grande malha tecnológica pelos confins amazônicos, usando técnicas de sensoriamento remoto para colocar o SIVAM em prática.

Por meio de radares, informações relacionadas a Amazônia são enviadas via-satélite para um banco de dados nas grandes metrópoles brasileiras.
Sede do SIVAM, em Manaus
O projeto é capaz de, além de recolher informações sobre desmatamento e queimadas irregulares, controlar o tráfego aéreo da região, bem como ter informações relacionadas ao narcotráfico e contrabando.

A polêmica rodeada pelo projeto está relacionada a pouca confiabilidade no transporte de informações sobre a região. Há um grupo de estudiosos que acredita na possível interceptação das informações do projeto SIVAM por governos de outros países.

CALHA NORTE

O Projeto Calha Norte foi criado em 1985 pelo governo Sarney. Apesar de não contar com um aparato tecnológico como o Projeto Sivam, o Calha Norte também foi idealizado com o intuito de defesa e controle da região amazônica do país, só que desta vez pela ocupação militar.

Fortalecer a presença nacional nas regiões de fronteira é importantíssimo para manter a soberania brasileira nestas áreas. O projeto cobre cerca de 6,5 mil quilômetros de fronteira na região norte do país, tendo com o principal objetivo a ocupação de áreas o estímulo fiscal aos projetos de região.

É inegável que estes projetos mudaram a visão por parte do nosso governo sobre as regiões amazônicas do país, basta saber mesmo se os dados recolhidos realmente estão incentivando nossos governantes a cuidarem destas tão ricas regiões, tanto no sentido biológico, quanto no sentido humano.

Fernando Soares
Fernando Soares

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »