A diferença entre árabes e muçulmanos

É habitual o senso comum criar uma imagem caricata do árabe. A mídia e o próprio meio social ajudam a construir um estereótipo de mulheres cobertas por véus e homens barbudos que habitam extensas áreas desérticas. Ou, no pior dos casos, se associa o árabe com a violência do fundamentalismo islâmico, resultando em concepções totalmente xenofóbicas e deturpadas.

Toda esta confusão se justifica no pouco conhecimento da maioria das pessoas em relação à cultura desta etnia. Uma consequência disto, por vezes, é a confusão criada entre os termos árabe e muçulmano. Existe uma inevitabilidade em associar o árabe à religião islâmica, quando na verdade estas duas definições são totalmente independentes, embora profundamente relacionadas. Não necessariamente um árabe é muçulmano, nem um muçulmano é árabe.
Mesquita Omar Ibn Al-Khattab em Foz do Iguaçu (Paraná). Por SamirNosteb - Obra do próprio, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=14944195
Quando se fala em árabe, devemos ter em mente que estamos falando de etnia. E etnia nada mais é que um povo que compartilha de determinadas características sociais, tal como idioma e cultura. Atualmente, os países originários desta etnia formam a chamada Liga Árabe, que reúne nações da África, como Egito, Tunísia e Marrocos, e Ásia, como Iraque, Jordânia e Líbano. Pela definição do grupo:
“um árabe é uma pessoa cuja língua é o árabe, que vive em um país de língua árabe e que tem simpatia com as aspirações dos povos de língua árabe”.
Portanto, podemos facilmente notar que existem árabes seguindo diversas religiões, como cristianismo, hinduísmo e até mesmo o judaísmo.


Agora, quando falamos em muçulmano, estamos nos referindo à religião. É muçulmano toda aquela pessoa que professa a religião islâmica, independente de ser árabe ou não. Um exemplo que ilustra muito bem isto é o caso do país que concentra a maior população muçulmana do mundo: a Indonésia, que abriga cerca de 213 milhões de islâmicos, 88% da população, mesmo não sendo árabe. O mesmo caso da Índia, segunda colocada, com 175 milhões de muçulmanos, 16% da população.

Fernando Soares
Fernando Soares

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »