Maritimidade e Continentalidade

Maritimidade e Continentalidade são termos muito comuns na geografia e tem muito a ver com a temperatura em regiões litorâneas e nos centros dos continentes.

Para explicar melhor, vamos imaginar hipoteticamente duas cidades, o município A, localizado próximo do mar e o município B, localizado no centro do continente. O oceano, durante o dia, vai reter boa parte do calor da cidade A, deixando o clima mais ameno e, durante a noite, o calor absorvido pelo mar será liberado aos poucos, não deixando a temperatura cair tanto. Podemos concluir então que a cidade A sofreu o fenômeno da maritimidade, em que o clima não varia tanto entre o dia e a noite, tudo isso por conta da retenção do calor pelo oceano.

No caso da cidade B, acontece o contrário, já que o solo necessita de bem menos calor para elevar sua temperatura, expelindo-o com muito mais velocidade, sendo assim, o continente não consegue absorver as altas temperaturas de dia por muito tempo, deixando os termômetros subirem. Durante a noite, sem a liberação de energia pela irradiação, as temperaturas tendem a ficar baixas, acontecendo uma grande variação entre as temperaturas do dia e da noite.

Tudo isso ocorre porque o calor específico da água é muito maior, sendo assim, o oceano precisa de muito mais energia para aquecer-se, demorando mais para liberar o calor, diferente do continente, que aquece mais rápido, logo liberando energia de forma mais veloz.

Fernando Soares de Jesus

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

1 Resultado

  1. 25 de março de 2017

    […] MARITIMIDADE E CONTINENTALIDADE – Por conta da maior facilidade de retenção de calor pelo oceano, as regiões que sofrem com a maritimidade convivem com uma amplitude térmica (variação de temperatura) menor que as que sofrem com a continentalidade. Saiba mais sobre estes fatores clicando aqui. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *