A indústria na Alemanha

A Alemanha é a quarta maior economia do mundo, a maior da Europa e o mais importante país da União Europeia. Não por menos, o país é conhecido como “locomotiva da Europa”.

Muito da vitalidade da economia alemã é proveniente da força do seu setor industrial. O país unificou-se em 1871 e, já em meados do Século XIX, era uma potência industrial, através de um modelo de industrialização conhecido como Industrialização Tardia.

Antecedentes

O país soube aproveitar as novas tecnologias na montagem do seu parque industrial, inaugurando, em conjunto com os EUA, a Segunda Revolução Industrial. Enquanto isso, as nações industrialmente já consolidadas, em especial a Inglaterra, estavam presas ao seu parque já desatualizado, com tecnologias do século anterior, sendo rapidamente deixadas para trás na lógica do Capitalismo global.

Além disso, a Alemanha se beneficiou do seu Estado protecionista. O país foi berço de teorias como a da Indústria Infante, de Friedrich List, que preconizava que o Estado deveria proteger e fomentar setores industriais nascentes no país.

Todavia, os interesses expansionistas do país levaram a Alemanha ao enfrentamento de duas guerras mundiais, onde em ambas saiu derrotada. Estas derrotas, além de onerar a indústria nacional, levou a divisão da nação em duas: a República Federal da Alemanha (RFA), capitalista, e a República Democrática Alemã (RDA), socialista.

Após o fim da Guerra Fria e a unificação do país, em 1990, o abismo criado entre as duas nações ficou claro. Enquanto a RFA, aportada nos auxílios do Plano Marshall, desenvolveu uma indústria forte e aos moldes capitalistas, a RDA apresentava um parque industrial antigo e incapaz de concorrer em mercado mundial. O resultado disso foi a criação de importantes desigualdades regionais no país.

Localização industrial

A principal região industrial da Alemanha é o Vale do Rio Ruhr, localizado o extremo oeste do país, envolvendo cidades como Dortmund, Gelsenkirchen e Essen. A região se destaca em diversos setores, dentre os quais a produção de aço, de armas (setor bélico), petroquímico, automobilístico e eletroeletrônico. Muitos destes setores apresentam vigor também em outras áreas do espaço industrial alemão.

Sede da Volkswagen, em Wolfsburg. Fonte: Por Vanellus Foto - Obra do próprio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=26546707
Sede da Volkswagen, em Wolfsburg. Fonte: Por Vanellus Foto – Obra do próprio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=26546707

O setor automobilístico está concentrado no oeste do país, em uma faixa que vai desde a Baviera até a Baixa Saxônia. Os principais polos são as cidades de Wolfsburg (Baixa Saxônia), onde está localizada a sede da Volkswagen, Stuttgart (Baden-Wurttembeg), onde encontra-se a montadora Daimler AG/Mercedes-Benz e Munique (Baviera), sede da BMW.

Já a indústria química é forte em todo Vale do Ruhr. Destaque a Bayer, gigante farmacêutica, que tem sua sede em Leverkusen

No setor eletroeletrônico, a Alemanha abriga gigantes do mercado, dentre as quais a Siemens e a AEG. O setor tinha grande importância na região de Berlim, mas migrou para o sul do país após a Segunda Guerra. Algumas cidades da Alemanha Oriental, como Dresden, também apresentam certa força no setor.

Por fim, destaque ao setor naval, concentrado em Hamburgo, no norte do país junto a foz do Rio Elba, onde localiza-se o principal porto alemão, e em Bremen.

Assista também nosso vídeo sobre o assunto:

Share

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *