A indústria na França

A França é um dos países mais industrializados do mundo, sendo um dos pioneiros da Revolução Industrial. É, atualmente, a sexta maior economia do mundo e a terceira força da Europa, atrás de Alemanha e Reino Unido.

Antecedentes

O grande marco da industrialização da França foi a Revolução Francesa, de 1789. Esta revolução, de caráter fortemente liberal, levou a burguesia ao poder e deu a ela toda a máquina estatal de subsídio aos seus interesses industrialistas.

Todavia, a Revolução Liberal e a posterior ascensão de Napoleão Bonaparte trouxe certa instabilidade econômica ao país, cuja industrialização só conseguiu consolidar suas bases a partir do Século XIX.

A industrialização estava apoiada sobre o principal combustível desta revolução: o carvão. O território francês, em geral, é desprovido de grandes reservas energéticas, o que resultou em uma concentração industrial no principal polo carbonífero de país, a região de Alsácia-Lorena, no extremo leste. Atualmente estas minas estão quase esgotadas.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a proximidade do país com a principal potência do Eixo, a Alemanha, e as consequentes excursões do exército de Hitler no país, trouxeram grande devastação para sua economia. Todavia, a França conseguiu sua recuperação econômica através do forte aporte financeiro pelo governo dos EUA, através do Plano Marshall.

Localização industrial

As principais regiões industriais da França são as regiões de Paris, Lyon e Alsácia-Lorena.

Paris, além da capital, é o principal centro financeiro, econômico e cultural do país. Na cidade e em seu entorno imediato estão localizadas indústrias de ramos variados, dentre os quais o automobilístico, o farmacêutico, o aeroespacial e o têxtil.

O ramo automobilístico é polarizado por duas grandes empresas: a Renault, com sede em Boulogne, e a Peugeot, sediada em Paris.

Em Lyon destacam-se as indústria têxtil e química. A indústria têxtil tem sofrido com a concorrência estrangeira, especialmente após a popularização do uso de fios sintéticos, como o nylon, o que levou ao fechamento de várias fábricas na região.

Além de Lyon, a indústria química também encontra como centro a região de Nantes, no noroeste do país. Toulouse e Bordeaux, ambas no sul, destaca-se como polos de tecnologia aeroespacial de ponta. Em Toulouse localiza-se a sede da Airbus, grande companhia do setor.

Fábrica da Aibus, em Toulouse. Fonte: Por Bernd K - https://www.jetphotos.com/photo/7964510, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=38111436
Fábrica da Airbus, em Toulouse. Fonte: Por Bernd K – https://www.jetphotos.com/photo/7964510, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=38111436

Na região de Alsácia-Lorena, ocorre um parque industrial diversificado, com predominância da indústria siderúrgica, devido a concentração de jazidas de minério de ferro no local.

A França apresenta duas áreas portuárias principais: a de La Havre, localizada ao norte, no litoral imediato ao Canal da Mancha, e a de Marselha, no sul, localizada as margens do Mar Mediterrâneo.

Como alternativa ao pouco potencial energético de seu território nacional, a França tem apostado na energia nuclear, sendo atualmente um dos países que mais faz uso deste tipo de fonte energética (80%), além da energia hidrelétrica.

Assista também nosso vídeo sobre o assunto:

Share

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *