Porque o Sistema de educação da Suécia é um dos melhores do mundo

A Suécia tem um dos sistemas de educação mais modernos do mundo, primando pela autonomia e altos investimentos. Os resultados são visíveis. Em 2019, o país novamente ocupa uma das melhores posições no ranking do EF EPI, índice que avalia a proficiência em inglês em falantes não-nativos. Isso é bem significativo, já que países como o Brasil, que também não tem a língua inglesa como a oficial, apresentaram resultados bem abaixo do esperado. O sistema de ensino sueco, que traz o ensino da língua inglesa na maioria de suas escolas desde o primeiro ano de estudo, pode servir de exemplo para a maneira como a educação em geral pode formar novos cidadãos.

Imagem: Stanford

Mas há aspectos que fazem com que o sistema educacional da Suécia funcione na prática. Ele é financiado sobretudo pelos impostos dos cidadãos, com as escolas primárias e secundárias sendo administradas pelo Municípios. As universidades são responsabilidade do Estado, tendo, mesmo assim, autonomia e liberdade para uso dos recursos.

Os Municípios tem como obrigação oferecer vagas em escolas para crianças a partir dos 6 anos de idade. Poucas são as famílias que optam por escolas particulares, já que as financiadas pelo Governo tem ótima estrutura de salas, refeições, materiais de estudo e transporte. Os pais tem por obrigação enviarem os seus filhos para a escola entre os 7 e 16 anos. As crianças que apresentam algum tipo de deficiência física ou mental também ter resguardados seus direitos em escolas especiais.

Dentre as reformas instituídas nos últimos anos estão a Lei de Educação de 2011. Nesta lei foram implementadas novas formas de avaliação e instituídos programas profissionais ou pré-universitários. São disposições que promovem uma maior liberdade de escolha dos estudantes, permitindo capacitações conforme suas escolhas. O ensino está dividido nas seguintes classes:

– Förskoleklass (pré-escola)

– Lågstadiet (do 1º ao 3º ano)

– Mellanstadiet (do 4º ao 6º ano)

– Högstadiet (do 8º ao 9º ano)

Além dos horários de aula, os estudantes também tem um atendimento fora dos horários de escola e aprendem vários programas teóricos que irá orientá-los para suas profissões futuras. O sistema de notas é adotado a partir do 6º ano. Desde 2011 também foram instituídas novas maneiras de avaliar os estudos. Com notas A a E o aluno passa de ano. Nota F indica uma reprovação ou resultado insuficiente. Os currículos apresentam metas específicas desde o pré-escolar, instituindo os testes obrigatórios para o 3º, 6º e 9º anos da escola obrigatória. Esses testes são realizados para verificar o progresso dos alunos.

O ensino médio que vai dos 10º aos 12º é opcional e há a possibilidade de escolher entre dezoito programas de ensino nacionais que duram três anos e são preparatórios para o ensino superior. Dentre as provas que avaliam o conhecimento para entrada nos programas estão a língua sueca, o inglês e a matemática.

Em questão de números, poucos são os alunos que não conseguem entrar para um programa nacional, mas caso isso ocorra, eles podem entrar em um dos cinco programas introdutórios. Depois disso podem entrar para um programa nacional. Além dos programas já previstos na educação, há também aqueles indicados para alunos que tenham algum tipo de deficiência intelectual.

A educação em primeiro lugar

A atual política de educação na Suécia é resultado de extensas pesquisas tendo como exemplos os modelos adotados por instituições educacionais de outros países. Dentre os países analisados estão os modelos de ensino da Finlândia, Coréia do Sul e Holanda. Mesmo com as melhoras, o governo sueco entende que há uma necessidade de aumento de qualidade na leitura, ciências e matemática. O país busca, através de suas políticas públicas, tornar um ambiente de extrema competência e resultados.

Imagem:Stratgyonline

Dentre as atitudes que ajudaram o país a se colocar entre os primeiros do mundo está a valorização dos profissionais de educação. Os professores tem bons salários, formações e estabilidade. Tal fato faz com que estejam em constante atualização dos moldes de ensino e melhorando as práticas educativas, além de ampliar o status social dos professores.

Esse trabalho que trará frutos a longo prazo é necessário para que se melhorem os resultados nas pesquisas com relação a outros países. Com isso foram ampliados os investimentos nesse setor. Há, porém pessoas que questionam os resultados dos estudos e acham que os mesmos somente contemplam matérias como matemática e ciências, deixando de fora outras disciplinas que favorecem a educação e o desenvolvimento intelectual e criativo.

Apesar de ter ótimas escolas públicas, há ainda algumas escolas independentes, chamadas “friskola”. Elas funcionam também através do financiamento público e seguem o mesmo currículo nacional, dependendo seu funcionamento da aprovação prévia do Governo. Ao todo existem cerca de 17% de escolas obrigatórias neste molde e 33% de escolas secundárias. Um dos maiores temores com relação a esse tipo de escola particular é por causa dos lucros que essas possam fornecer, deixando com isso de primar pela qualidade acima de tudo.

Ensino Superior

Quando falamos em ensino superior, verifica-se que a Suécia apresenta também um dos maiores níveis internacionais. É lá que são feitas pesquisas e estudos que influenciam resultados no mundo inteiro. Nas faculdades o aluno é incentivado a ter liberdade com responsabilidade. Ou seja, eles são orientados por um professor em menor tempo que um aluno de outros países. Esse tempo mais livre deverá ser utilizado para estudar por sua conta.

Grande parte do financiamento do ensino superior vem do Estado e é gratuita, existindo atualmente cerca de 20 faculdades e universidades em vários Estados. A língua inglesa aqui ganha destaque, já que alguns cursos são ministrados em inglês, além de algumas disciplinas.

Imagem: Denver

Com tamanha responsabilidade, o Governo acompanha de perto as instituições indicando metas e propiciando recursos. O Ministério da Educação e Pesquisa, como o próprio nome sugere, é responsável pela Educação e pesquisa. Há ainda órgãos do governo como o Conselho Sueco de Ensino Superior e a Autoridade Sueca de Ensino Superior que também acompanham de perto as questões universitárias.

As universidades tem total liberdade para escolher seus modelos de ensino, mas as decisões devem ser tomadas por profissionais qualificados e especialistas com total conhecimento científico sobre o assunto. Os alunos também tem direito a serem ouvidos, através de um representante.

Como podemos perceber, a Educação na Suécia é tida como uma prioridade. Desde a primeira infância são incentivadas brincadeiras e estudos que visam o desenvolvimento físico e intelectual, ajudando na compreensão do seu espaço e individualidades. Tanto meninas como meninos são tratados igualmente, para que cresçam sabendo que ambos tem a mesma importância no mundo, podendo ter as mesmas oportunidades. E este é um modelo, sem sombra de dúvidas, para ser seguido.

Share

Meu nome é Fernando Soares de Jesus, natural de Imbituba/SC, estudante do curso de graduação em Geografia na UFSC e futuro geógrafo e professor. Criei este blog ainda no Ensino Médio, em meados de 2013, com o objetivo de compartilhar e democratizar o conhecimento geográfico, desde o campo físico até o campo humano, permitindo seu acesso de maneira clara e descomplicada.

2 Comments

  1. Felipe Grasse Reply

    Fernando, não tem como você “escolher” onde que os anúncios ficam?
    Meio que eles atrapalham na hora de concentrar na leitura.
    Toda via, ótimo Blog sempre claro e objetivo 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *